Desafios na logística aérea: como superar as incertezas do mercado

Home/Logística/Desafios na logística aérea: como superar as incertezas do mercado

Desafios na logística aérea: como superar as incertezas do mercado

Gerir um modelo de negócios que lida diariamente com imprevisibilidades pode causar arrepios em muitos profissionais. Mas foi em torno de fatores adversos às suas atividades que as companhias aéreas construíram seus empreendimentos. Por anos o setor aprendeu como lidar com mudanças na estrutura global: na área econômica, de geopolítica, na flutuação no preço do combustível.

As mudanças no mercado internacional e o aumento da concorrência, principalmente no Oriente Médio e na Ásia, apresentam novas oportunidades estratégicas para inovação no setor. Abordando este tema, a PWC elaborou um relatório apontando alguns modelos de negócio a serem aplicados pelo segmento aéreo. Aqui iremos discorrer sobre três pontos abordados no relatório.

O primeiro modelo aponta para a modernização dos sistemas e no relacionamento com os clientes. Ao invés de lançamentos de promoções que busquem apenas a venda de cadeiras nas aeronaves, focar as necessidades dos clientes pode trazer resultados mais positivos para companhia.

Na prática, o cliente que faz uma viagem de negócios e aquele que está com sua família possuem expectativas diferentes quanto ao voo, e podem ter mais interesse em pacotes que ofereçam serviços exclusivos para cada um. O primeiro cliente irá preferir acomodar-se em um lugar em que possa trabalhar ou relaxar durante o voo, aproveitando o serviço do bar, já o segundo terá mais interesse em estar próximo da família, podendo observar como estão durante a viagem.

No Brasil, a Gol criou uma startup exclusiva para o desenvolvimento de soluções tecnológicas para a companhia, a GOLlabs. A empresa trouxe para o país inovações como o Selfie Check-in, que realiza a operação através do reconhecimento facial. Em um ano a ferramenta realizou mais de um milhão de check-ins. Outro recurso oferecido aos clientes é a geolocalização, que informa aos clientes o tempo previsto de locomoção até o aeroporto, com base no monitoramento de trânsito.

O segundo modelo de negócio apontado no relatório descreve a importância da modernização dos sites de vendas das empresas. É preciso oferecer aos clientes uma experiência mais agradável e dinâmica, principalmente nos acessos mobiles. As companhias precisam investir em incentivos, tomando para si as rédeas de um mercado dominado pelas agências de viajem.

Com o investimento em tecnologia de ponta, as companhias áreas poderiam identificar o perfil de cada cliente e então oferecer pacotes exclusivos, com serviços que atendam às necessidades dos passageiros nos aeroportos e dentro dos aviões e também com produtos auxiliares como aluguel de veículos, hospedagem, e reserva em restaurantes e pontos turísticos.

Por fim, o relatório também aponta sobre o investimento na digitalização e conectividade dos processos. A atividade aérea coleta centenas de informações, no entanto, muitas são ignoradas durante as operações. Como consequência há ineficiência no manuseio de bagagens, emissão de bilhetes e na manutenção, o que gera desgaste na relação com o cliente.

Investir em sistemas de controle de dados com geração de relatórios assertivos irá contribuir no ganho de eficiência das operações, levando mais acuidade nas informações, melhorando as tomadas de decisões por parte dos gestores e consequentemente, melhorando a qualidade do serviço oferecido pela empresa e a satisfação dos clientes.

Soluções para desafios aeroportuários da GTP Automation

E-LOCK

Cadeado eletrônico com segredo mecânico para transporte de produtos de alto valor agregado. Bateria com duração de 3 anos. Fechamento e Abertura com NFC. App hunter™ Mobile para controle de violação. Memória com capacidade de armazenar 255 aberturas e fechamentos. Violação registrada eletronicamente. GPS integrado para registrar o local de manuseio.

Ideal para fechamento de objetos sujeitos a diversas aberturas/fechamentos.

AIMS (Airport Integrated Management System) –  Parceria entre GTP e  INFRAERO

Com base em sua experiência de 15 anos no desenvolvimento de soluções de rastreamento, a GTP concebeu um sistema de sensores para rampas aeroportuárias, a fim de melhorar as interações H2M (humano a máquina) e M2M (máquina a máquina). O software foi projetado em parceria com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). O hardware e a integração foram desenvolvidos com sistemas de radiofrequência capazes de trocar informações entre o banco de dados de controle de acesso do servidor central e o sistema existente. Este sistema endereça as funções de execução do controle de acesso da rampa tais como:

  • Controle de acesso do veículo na rampa
  • Controle de acesso de motorista e licença para operar na rampa
  • Rastreamento do veículo na rampa
  • Controle de velocidade do veículo na rampa
  • Geo cercas para controlar o acesso “dentro e fora” por veículo
  • Rastreamento de veículos de autoridade
  • Controle interno de operação na rampa
  • Dashboard em tempo real com indicadores de desempenho
  • Mapa do site com evento “não normal”

Clique aqui para conhecer melhor as nossas soluções e aqui para conhecer melhor os nossos produtos.

Referências: PWC, Mercado & Eventos, Consultor Jurídico

Por | 2019-02-15T09:33:53+00:00 15/02/2019|Categories: Logística|Tags: , , , |Comentários desativados em Desafios na logística aérea: como superar as incertezas do mercado

About the Author:

Marcus Vinicius Rocha
Marcus Vinicius Rocha é jornalista formado pela Faculdade Estácio de Sá. Radialista formado pelo Centro Técnico Vasco Coutinho e Produtor de Conteúdo.