Mercado de bebidas: tendência de crescimento requer investimento

Home/automação, plataforma/Mercado de bebidas: tendência de crescimento requer investimento

Mercado de bebidas: tendência de crescimento requer investimento

Setor está consolidado e mercado de bebidas saudáveis está crescendo

Os últimos meses foram de grandes mudanças no mercado de bebidas. O de sucos e cervejas, por exemplo, foi tomado por aquisições, expansões e novidades. Com isso, levanta-se a seguinte questão: será que os fabricantes, fornecedores, varejistas e atacadistas estão preparados? Nosso blog hoje reflete essa questão.

Uma pesquisa “Tendências do Consumidor”, preparada pela Associação Paulista de Supermercados (APAS), em conjunto com os institutos Nielsen, Kantar Worldpanel, GfK e IBOPE, apontou algumas mudanças e tendências sobre o comportamento do consumidor.

De acordo com o levantamento, o consumidor brasileiro busca, mais do que nunca, hábitos saudáveis. E procura por uma alimentação está entre essa tendência de comportamento, acima até mesmo que a média mundial:

  • Itens enriquecidos com vitaminas e minerais são consumidos ativamente por 65% dos entrevistados no Brasil. A média global é de 51%.
  • Produtos ricos em fibras estão presentes em 61% dos carrinhos de compras no País, contra 53% no mundo.
  • Os brasileiros declararam que consomem mais chá, chá gelado, iogurte/smoothies e bebidas energéticas — categorias que mais cresceram nos últimos cinco anos.

E como o mercado está refletindo isso? 

Um artigo da Exame, identificou que existe a necessidade de incentivar ainda mais o consumo de sucos, algo que ainda tem espaço para crescer aqui. Algumas marcas movimentaram o mercado buscando esse reposicionamento.

Enquanto a Ambev anunciou a compra das cervejarias Wälls, de Minas Gerais, e a paulista Colorado, além da fabricante de sucos Do Bem, em fevereiro, a Heineken comprou a Brasil Kirin, dona da Schin. A Coca-Cola adquiriu a Ades, da Unilever, e a inglesa Britvic incorporou a Ebba, da Maguary, para entrar no mercado brasileiro.

Essas mudanças, segundo o artigo, também têm a ver com o momento da economia do país. Paulo de Tarso Petroni, presidente da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil) afirma que apenas as grandes companhias têm mais força para passar por esses momentos. “Quando o mercado e o consumidor mudam, essas empresas têm agilidade e fôlego para atender o cliente”, disse Petroni.

Para a Exame, Petroni também enfatizou que o tamanho é necessário para se ter uma ampla rede de distribuição que alcance os 1,2 milhão de pontos de venda do país.

Mercado concentrado

O mercado de cerveja no Brasil já é bastante concentrado. Apenas 4 empresas controlam 96% das vendas, que chegam a 14 bilhões de litros todos os anos, segundo a CervBrasil, que atende essas companhias. Apesar da ascensão das microcervejarias e cervejarias artesanais, elas ainda carecem de escala ou força de distribuição.

Infelizmente não se pode dizer o mesmo do mercado de sucos. “As empresas não têm tanta força de distribuição, que é indispensável nesse mercado”, afirmou Adalberto Viviani, presidente da Concept, consultoria especializada em bebidas e alimentação.

Apesar de ser uma oportunidade já que conta com a vontade do consumidor em seguir hábitos mais saudáveis, os sucos precisam ter um grande volume de vendas para compensar a tímida margem de lucros atual.

O investimento de logística se amplia para outros setores, o que dificulta o crescimento do mercado no país. “Você compra as frutas na safra, congela, prepara e só vai vender muito tempo depois. Isso requer um capital de giro elevado”, disse o consultor. Por isso, a tendência é que as empresas se reúnam ao redor de grandes estruturas de distribuição.

GTP oferece soluções de segurança e logística

Para empresas do setor de bebidas, a GTP Tecnologia disponibiliza soluções que garantem a segurança, melhor organização e redução de custos. Um desses serviços é o WMC (Warehouse Magic Cube).

Trata-se de uma solução completa e revolucionária para resolver problemas ainda não óbvios aos gestores de armazéns. Desde a auditoria em tempo real das operações até o acompanhamento financeiro dos indicadores de desempenho, passando pela medição real das distâncias percorridas por funcionários durante todo um dia de inteiro de trabalho, o WMC permite que os gestores apreciem o desenrolar das suas operações em diferentes níveis.

Saiba mais aqui. 

Com informações: Exame, APAS Show, Abir. 

Por | 2017-08-11T23:14:48+00:00 11/08/2017|Categories: automação, plataforma|Tags: , , , |Comentários desativados em Mercado de bebidas: tendência de crescimento requer investimento

About the Author: